Três dicas para não ser um Coronamacho
 
02Apr

Três dicas para não ser um Coronamacho

1060 Visualizações
Claudio Herique

Como se já não bastassem as restrições impostas pelos tempos de isolamento social, algumas mães, esposas e filhas agora tem passado pela provação de conviver com um outro tipo de vírus: o Coronamacho. Suas cepas mais perigosas já começam a mostrar a que vieram, provocando um aumento de até 50% nas estatísticas de violência doméstica. Os tipos mais amenos, infelizmente, também provocam estragos que deixam marcas em todos os relacionamentos.
 
O Coronamacho é aquele cara teimoso, que tem solução para tudo, sempre tem a última palavra. Acha uma bobagem procurar médico para qualquer coisa, acha que fazer terapia é uma frescura. É o que se orgulha em repetir que “homem não chora”. Em resumo, acham-se superiores a tudo, principalmente em relação ao sexo oposto.
 
Alguns são famosos, aparecem o tempo todo na televisão desdenhando de uma “gripezinha”. A maioria deles são anônimos, mas só quem precisa lidar com um tipo assim sabe como não é fácil. Nestes tempos de isolamento, as relações se esgarçam, tudo fica ainda mais difícil.
 
Todos nós temos um Coronamacho dentro de nós. Com um pouco de atenção e disciplina dá para deixá-lo dormente dentro da gente. Mas alguns já manifestam a doença e ainda não sabem disso. Aí vão contaminando os outros ao redor, o ambiente. Trancados em casa, eles sofrem ainda mais. Não fazem a menor ideia do que o filho come, de onde está a lata de óleo, de como faz para ligar a máquina de lavar. E ainda tem que conviver com a mulher e as filhas “falando o tempo inteiro”. Não faltam piadinhas a respeito disso.
 
Se você é ou está no caminho para se tornar um Coronamacho, as notícias são boas. Já existe remédio. Os efeitos são rápidos, eficazes e começam a ser sentidos logo nos primeiros dias. Basta prestar atenção nas suas atitudes e estar aberto às mudanças.
 
O isolamento social exige novas atitudes, talvez seja a hora de começar a colocar em prática algumas delas. A relação de ações é enorme, mas se você levar em conta essas três dicas, garanto que a dor será menor e a cura estará muito mais próxima do que você imagina. E melhor: todos que estão à sua volta (e você mesmo) vão ganhar muito com isso.
 
1.      Não existe uma distribuição de papéis pré-definidos dentro de casa. “Homem faz isso, mulher faz aquilo”. Se você ainda pensa assim, acorde. O mundo mudou, quem sabe um Coronavírus ajude você a perceber isso. Cuidar da casa onde moramos e dos nossos filhos é obrigação de todos nós. Saia do sofá. Aproveite o isolamento para aprender a cozinhar, lavar uma roupa e uma louça bem lavada.
 
Aproxime-se dos seus filhos. Dê banho nos pequenos, leia uma estória na hora de dormir. Procure saber que música os maiores ouvem, quem eles seguem no Youtube, quem é o “crush” na escola. Seja um pai presente. Cuidar do teto onde moramos e de quem está à nossa volta é uma obrigação de todos – e não uma questão de gênero.   
 
2.      As mulheres da casa não são uma propriedade do homem. Sua esposa e suas filhas não estão ali simplesmente para servi-lo, atender suas vontades. Por isso, você não tem direito de tratá-las como violência ou agressividade. Respeito é a base de todos os relacionamentos.
 
E se você é um cara legal, mas conhece alguém violento com alguma mulher, lembre-se que a expressão “em briga de marido e mulher não se mete a colher” é tão arcaica quanto a estrutura de sociedade que a criou. Não se faça de surdo, estenda a mão para quem precisa de ajuda, ligue para a polícia, para o 180 (Central de Atendimento à Mulher). Enfim, tome alguma atitude.
 
3.      A ideia de que o homem deve ser o provedor a qualquer custo, também não serve mais. A mulher moderna estuda, trabalha, tem uma carreira, anda pelas próprias pernas. Quando ela quer “casar” é para ter um parceiro, não um patrão. Mulheres que procuram um provedor estão em extinção. Ainda bem. E mesmo aquelas que optam por cuidar da casa e dos filhos, devem ser encaradas como parceiras de vida e da administração financeira.
 
Se você é daqueles que gosta de exercer seu poder financeiro para submeter alguém às suas vontades, lembre que você não terá uma companheira feliz ao seu lado. E mesmo que seja egoísta a ponto de não se importar com isso, um dia você acorda falando sozinho. Pode esperar.
 
Não vão faltar oportunidades de transformação para aqueles que chegarem vivos ao final da pandemia – e serão muitos de nós, a grande maioria. O distanciamento social e o isolamento dentro de nossas casas nos convidam a uma série de reflexões – e mudanças. Que eles sirvam não apenas para conter a curva de crescimento da Covid-19 como também para diminuir as atitudes machistas na sociedade e nos nossos lares. 
 


Posts Relacionados


  • Em tempos de Coronavírus: responsabilidade, compaixão e respeito

    246 Visualizações
    Claudio Henrique

    Meu depoimento pessoal, convivendo com a Covid-19 nos dois lados do Atlântico

  • Vídeo - Desigualdade de Gênero

    332 Visualizações
    Claudio Henrique

    Estudos mostram que no ritmo que as coisas andam, a desigualdade de gênero no trabalho vai acabar daqui a 257 anos.

  • Vídeo - Violência e Machismo. Até quando?

    304 Visualizações
    Claudio Henrique

    Até quando os homens vão agir como se a violência contra a mulher não fosse um problema deles também? Este é o tema do meu vídeo mais recente no canal Macho do Século 21 no Youtube, que compartilho também por aqui.

  • Machista, eu?

    618 Visualizações
    Claudio Henrique

    Defendo a equidade de gênero e a igualdade de oportunidades com unhas e dentes. Mas confesso que travo uma briga todos os dias com o pequeno machista que ainda habita dentro de mim.

Comentários